NOTÍCIA

05/01/2022

Cirurgia plástica é suficiente para modelar o corpo?

Embora as cirurgias sejam indicadas, há algumas recomendações para o paciente.


Cirurgia plástica é suficiente para modelar o corpo?

Gel redutor, criolipólise, chás e shakes milagrosos: essas são algumas opções que são ofertadas no mercado da beleza e da estética. Existem muitos produtos e procedimentos que prometem a redução de medidas. Porém por mais que exista um leque de opções que pareçam atrativas, investir o tempo em atividade física e procedimentos já conhecidos é o que dá mais garantia que o resultado saia como esperado.
 

Há um consenso entre especialistas que não existem fórmulas milagrosas para eliminar excesso de peso e gordura localizada. Segundo a nutricionista Adriana Macedo, o primeiro passo para quem busca por essas mudanças é cuidar da alimentação, o que pode ser combinado com cirurgia plástica e atividade física para otimizar o resultado dos procedimentos.

 

As cirurgias plásticas mais feitas para essa finalidade são a abdominoplastia, indicada para remover excesso de pele do abdômen e a tradicional lipoaspiração, que serve para remodelar algumas áreas específicas do corpo. “Na lipoaspiração, o excesso de depósitos de gordura do corpo é removido e há definição nos contornos. Esse procedimento também é usado para tratar acúmulos de gordura em outras partes do corpo, como: braços, pescoço, coxas, cintura, costas, peito, pernas etc.”, explica Arnaldo Korn, diretor do Centro Nacional -- Cirurgia Plástica.

 

Embora as cirurgias sejam indicadas, há algumas recomendações para o paciente, como estar no peso ideal para fazer realizar o procedimento. Por isso, a nutricionista explica que sem comprometimento com a alimentação e com atividade física o resultado pode não ser satisfatório. “Fazer uma abdominoplastia muito acima do peso, por exemplo, não vai dar o resultado que o paciente busca, e a pessoa pode até voltar à condição anterior” afirma Adriana. É natural que algumas pessoas tenham contornos que não são do agrado delas, são acúmulos de gordura localizada, por isso, acabam fazendo a cirurgia que elimina esse excesso.

 

Até existem tratamentos não cirúrgicos que ajudam, porém precisam ser feitos com frequência, o que pode ultrapassar o custo de uma lipoaspiração. “Se houver dificuldade financeira para arcar com a cirurgia plástica, o paciente tem a opção de contar com uma assessoria administrativa, que oferece condições especiais de pagamento,” explica Korn, ressaltando que sem qualidade profissional, não há como garantir todo o processo de forma correta e segura.

 

Assessoria de imprensa Estilo Press


Compartilhe: