NOTÍCIA

09/09/2019

Santa Casa de Marília adere ao 'Setembro Amarelo'

Marília é uma das cidades do Estado de São Paulo com maiores índices de suicídio.


Santa Casa de Marília adere ao 'Setembro Amarelo'

A Santa Casa de Misericórdia de Marília aderiu ao Setembro Amarelo com programação voltada à conscientização sobre a importância da adoção de medidas de prevenção do suicídio. De 24 a 27 de setembro, palestras serão realizadas para os colaboradores da instituição saberem como agir, não somente com os colegas de trabalho, mas também com pacientes e acompanhantes deles, em casos de detecção de risco.

Os psicólogos da Santa Casa de Marília, Marcos Aurélio Alves Filho e Thassiane Neves, vão ministrar palestras com o tema da campanha “Falar é a melhor solução”, no salão de reuniões do hospital, nos dias 24 (das 9h às 10h), 25 (das 8h às 9h e das 19h às 20h), 26 (das 14h às 15h e das 19h às 20h) e 27 de setembro (das 15h às 16h).

“As palestras vão acontecer em formato de treinamento para os colaboradores da Santa Casa saberem como lidar com os vários fatores de risco. A nossa intenção é mostrar o que é mito e o que é verdade, fazer os devidos encaminhamentos e colaborar para uma boa saúde mental no ambiente de trabalho”, comentou o psicólogo Marcos Aurélio Alves Filho.

Marília é uma das cidades do Estado de São Paulo com maiores índices de suicídio e há algum tempo a direção do hospital vem desenvolvendo algumas ações para garantir o atendimento psicológico e psiquiátrico aos funcionários que necessitam. “Ampliamos o nosso atendimento de psicologia e também passamos a oferecer consultas com psiquiatra. Isso é importante para garantir suporte psicológico aos nossos colaboradores”, disse a psicóloga Thassiane Neves.

É fato que o suicídio é um fenômeno complexo, de múltiplas determinações, mas saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo. Isolamento, mudanças marcantes de hábitos, perda de interesse por atividades de que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite, frases como “preferia estar morto”, “quero desaparecer”, “não posso fazer nada”, “não aguento mais”, “sou um perdedor e um peso para os outros” e “os outros vão ser mais felizes em mim” podem indicar necessidade de ajuda. 

Conforme a Associação Brasileira de Psiquiatria, que organiza o Setembro Amarelo em todo o País, nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. Dado da OMS (Organização Mundial da Saúde) indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas. A primeira medida preventiva é a educação. É preciso perder o medo de se falar sobre o assunto. O caminho é quebrar tabus e compartilhar informações. Esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para campanhas contribuem para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade. 

Quatro dicas importantes podem ajudar as pessoas em risco de suicídio: Converse, faça uma escuta ativa e sem julgamentos; acompanhe, fique em contato para saber como a pessoa está se sentindo e evite deixá-la sozinha; busque ajuda de profissionais como psicólogos e psiquiatras; proteja, evite deixar em locais de fácil acesso meios para a pessoa buscar a própria morte como venenos e armas.

Alguns canais importantes podem ser procurados para obter ajuda. Marília possui o CVV (Centro de Valorização da Vida) através do telefone 188. A cidade também dispõe do Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Com Viver (transtornos mentais) – telefone 3451-4028, Caps AD (Álcool e Drogas) – telefone 3433-8606 e Caps I (Infantojuvenil) – telefone 3451-1660.

Fonte: Assessoria de Imprensa - www.santacasamarilia.com.br  



Compartilhe: