NOTÍCIA

20/10/2020

Eventos online celebram hoje o Dia Nacional da Filantropia

A partir das 17h, acontece o webinar 'Pessoas que transformam o mundo pela filantropia' com relatos.


Eventos online celebram hoje o Dia Nacional da Filantropia

O Dia Nacional da Filantropia, comemorado em 20 de outubro, surgiu para evidenciar a atuação das mais de 11 mil organizações filantrópicas que atuam no Brasil. A data, que decorre da mobilização do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF), visa promover a valorização e gerar esclarecimentos sobre este setor vital para a sociedade brasileira.

Para marcar a data, o FONIF promove nesta terça-feira (20), uma programação de eventos online que visam debater a importância da data e da causa filantrópica para o país. Pela manhã, a partir das 9h, o presidente da instituição, Custódio Pereira, abrirá as atividades com um bate-papo com os deputados Antônio Brito (PSD/BA) e Eduardo Barbosa (PSDB/MG), além do senador Eduardo Gomes (MDB/TO), grandes apoiadores da causa. Em seguida, a partir das 9h30, será iniciado o webinar "O papel da filantropia no desenvolvimento social e redução das desigualdades no Brasil", com a participação de gestores de grandes instituições brasileiras. Também hoje, à tarde, a partir das 17h, acontece o webinar "Pessoas que transformam o mundo pela filantropia", que apresentará histórias reais sobre o impacto da atividade filantrópica na vida das pessoas.

Abaixo, confira mais sobre a programação completa e os participantes dos dois eventos, que são gratuitos e serão transmitidos no Youtube do FONIF.

Manhã

9h - Abertura: com Custódio Pereira

9h10 - Participação dos deputados Antônio Brito (PSD/BA) e Eduardo Barbosa (PSDB/MG); e Eduardo Gomes (MDB/TO);

9h30 às 11h30 - Webinar "O papel da filantropia no desenvolvimento social e redução das desigualdades no Brasil", com a participação de:
• Educação: Dr. Paulo Fossati, presidente da ANEC (Associação Nacional de Educação Católica do Brasil) e José Inácio Ramos, presidente do Instituto Presbiteriano Mackenzie;
o Saúde: Mirocles Campos Véras Neto, presidente da CMB (Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filatrópicas) e Vânia Bezerra, superintendente de responsabilidade social do Hospital Sírio-Libanês;
• Assistência Social: Dr. Antônio Roberto Silva Pasin, presidente da Febraeda (Federação Brasileira de Associações Socioeducacionais de Adolescentes) e Dr. Humberto Casagrande, CEO do CIEE (Centro de Integração Empresa Escola);
• Mediação: Padre Antônio Tabosa, vice-presidente do FONIF
• Encerramento: Custódio Pereira, presidente do FONIF.

Tarde

17h30 às 18h30 - Webinar "Pessoas que transformam o mundo pela filantropia", com a participação de:
• Professora Patrícia Razza, diretora da Fundação Antônio Antonieta;
• Giovana Bertoldo Viveiros, ex-aluna da Fundação Antônio Antonieta e atualmente é bolsista da PUC Campinas;
• Roberto Ravagnani, jornalista, palestrante e voluntário, especializado em voluntariado;
• Mediação: Emílio Sant’anna, jornalista.

Por que a filantropia é tão importante para o país?

Dados da pesquisa A Contrapartida do Setor Filantrópico no Brasil, realizada pelo FONIF, estabelecem um panorama da representatividade da causa filantrópica. Atualmente, o setor filantrópico emprega mais de 2,3 milhões de colaboradores diretos. Na área da Saúde, por exemplo, suas atividades correspondem a 59% de todas as internações de alta complexidade do Sistema Único de Saúde (SUS) e somam 260 milhões de procedimentos ambulatoriais e hospitalares por ano. Na educação são 2,4 milhões de alunos, sendo 725 mil bolsistas. Na Assistência Social, o setor oferta 3,6 milhões de vagas de serviços essenciais de proteção à população mais carente, representando 47% das vagas oferecidas pela rede socioassistencial privada.

Além disso, o estudo revela ainda que a cada R$ 1,00 que o Estado investe no setor por meio das imunidades tributárias, a contrapartida real é de R$ 7,39, ou seja, sete vezes maior.

"Na nossa luta diária pelos direitos das entidades filantrópicas brasileiras, constatamos como ainda é grande a falta de entendimento em relação ao nosso setor. Os números por si só demonstram a nossa importância e, no entanto, vemos que há uma grande desvalorização da filantropia no Brasil. Com a comemoração desta data, podemos combater esse desconhecimento e contribuir para fortalecer o setor, favorecendo a sociedade por consequência", esclarece Custódio Pereira, presidente do FONIF.

Histórico - Dia Nacional da Filantropia

O pedido do FONIF para a criação da data foi acolhido em 2017 pelos Deputados Federais Antonio Brito (PSD/BA) e Eduardo Barbosa (PSDB/MG), que conduziram uma audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília, para tratar sobre o tema.
Na ocasião, o deputado Antonio Brito reafirmou seu apoio à causa e convocou o setor filantrópico a iniciar as comemorações da data, mesmo com o processo ainda em andamento. "Enquanto seguimos com os procedimentos para legitimação da data, vamos nos unir e mostrar a força da filantropia para o País e para o mundo", defendeu o deputado.

Para o deputado Eduardo Barbosa, a instituição da data contribuiu para disseminar mais amplamente na sociedade a relevância das entidades filantrópicas. "O Dia Nacional da Filantropia ajudará a fortalecer e transmitir às futuras gerações os princípios de compaixão e altruísmo", declarou.



Sobre o FONIF

O FONIF - Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas tem como objetivo institucional o fortalecimento e a defesa de interesses das entidades filantrópicas que atuam no Brasil nas áreas de saúde, educação e assistência social. Constituído legalmente em 2015, o FONIF foi fundado a partir da reunião de 40 mantenedoras das mais importantes e reconhecidas instituições do país, que se uniram para debater os rumos do setor e as alternativas para garantir os direitos e o pleno funcionamento dessas entidades. Uma das principais ações empreendidas pelo FONIF foi a realização da pesquisa "A contrapartida do setor filantrópico para o Brasil", desenvolvida em parceria com a DOM Strategy Partners entre 2015 e 2016 e auditada pela Audisa, com uma nova versão lançada em 2019. O estudo aponta que, para cada R$1,00 oferecido pelo Estado como imunidade fiscal às filantrópicas, há um retorno de R$7,39 em benefícios entregues à sociedade. Dados mostram ainda, que o setor já realizou mais de 260 milhões de procedimentos ambulatoriais e hospitalares, possui mais de 2,4 milhões de alunos matriculados e 725 mil bolsas de estudo no Ensino Superior e Básico e são mais de 3,6 milhões de vagas de serviços essenciais de proteção social. Além disso, o setor emprega cerca de 2,3 milhões de pessoas. Outra conquista do FONIF, foi a instituição no calendário nacional do Dia Nacional da Filantropia, comemorada em 20 de outubro. Mais informações sobre o FONIF e a pesquisa podem ser obtidas no site da entidade:  www.fonif.org.br.
 


Compartilhe: