NOTÍCIA

03/10/2019

Justiça absolve um dos acusados do assassinato de ‘Sopinha’ e mantém o outro preso

O Ministério Público vai recorrer sobre a absolvição.


Justiça absolve um dos acusados do assassinato de ‘Sopinha’ e mantém o outro preso

No final da tarde de 03 de junho de 2018, um domingo, o assisense Douglas Baldacci Cortelline, 54 anos, conhecido como "Sopinha", foi encontrado morto em sua casa, na Rua Padre Anchieta, 241, em Assis-SP. Em avançado estado de decomposição, o corpo apresentava seis perfurações no peito, e a faca foi deixada em cima dele.

Em junho do mesmo ano, o principal suspeito foi preso; em agosto, o segundo. O primeiro, Everton M. M., na ocasião com 31 anos, confessou o crime ao delegado de Polícia Civil, Marcelo Armstrong Nunes, depois que o segundo suspeito, Luís R., de 28, foi preso.

Condenados em outubro de 2019, ontem, 02 de agosto, Luis foi absolvido; Everton, condenado a 20 anos em regime fechado, continuará preso. Não satisfeito com a absolvição, o Ministério Público de Assis irá recorrer da decisão.

Nesta quinta-feira, 3 de outubro, faz exatamente um ano que o inquérito do caso foi finalizado e entregue ao Poder Judiciário, no Fórum da Comarca de Assis. 

Durante os trabalhos, os investigadores da DIG – Delegacia de Investigações Gerais, de Assis, localizaram o celular roubado da casa da vítima e que havia sido entregue em um ponto de drogas desta cidade, sendo apurado que o investigado Everton - que teria um relacionamento amoroso com a vítima, foi quem entregou o aparelho em pagamento de uma dívida de drogas, ocasião que estava acompanhado do outro acusado, que tem passagem na polícia, por tráfico, já tendo sido preso anteriormente.

As investigações do inquérito policial acerca do homicídio apuraram que Sopinha foi brutalmente assassinado no interior de sua casa, a qual não estava revirada, aparentando que a vítima conhecia o seu algoz. 

No local foram encontradas duas facas utilizadas para prática do crime. No início das investigações chegou-se à autoria do primeiro suspeito, como sendo Everton M. M., que foi preso e inquirido durante as investigações por quatro vezes. Ele e a vítima estavam sempre juntos.

Com a prisão do segundo investigado, o primeiro acabou confessando o crime, mas negou ter subtraído o aparelho, versão que não foi sustentada devido as demais provas colhidas durante as investigações.

Ambos foram presos na Cadeia Pública de Lutécia e a investigação foi finalizada em 3 de agosto de 2018, sendo representado pela prisão preventiva dos investigados junto ao Poder Judiciário, concluindo-se que houve o crime de latrocínio (matar para roubar), sendo apenado de forma mais grave que o crime de homicídio doloso.

Sofá onde Sopinha foi brutalmente assassinado

 

Redação e fotos Abordagem Notícias

 



Compartilhe: