NOTÍCIA

26/01/2021

O genial Machado de Assis segundo o analfabeto Felipe Neto

Texto do jornalista assisense Kallil Dib, Autor do livro 50 Poemas de um Sonhador.


O genial Machado de Assis segundo o analfabeto Felipe Neto

Acordei na segunda-feira, dia 25 de janeiro, e me deparei com uma grande discussão nas redes sociais. Páginas que sigo, de escritores e suas frases e pensamentos, não publicaram obras ou textos incríveis, que comumente alegram minha semana. Mas externaram uma preocupação e incitaram uma importante discussão em nosso meio.

O chamado ‘influencer’ brasileiro Felipe Neto (33 anos, cabelo colorido e 40 milhões de seguidores) criou certa polêmica ao externar uma das maiores bobagens que li nos últimos tempos.

Em uma rede social, disse Neto que: "Forçar adolescentes a lerem romantismo e realismo brasileiro é um desserviço das escolas para a literatura. Álvares de Azevedo e Machado de Assis não são para adolescentes! E forçar isso gera jovens que acham literatura um saco".

Discorremos sobre os argumentos em diversos fóruns e grupos literários.

Sou leitor de Machado e amante de sua bibliografia. Já li várias de suas obras e reli outras tantas. Tenho aqui inúmeras crônicas, contos, poesias, matérias, notícias. Meu armário de livros reúne algumas de suas maiores criações. Também conheço Álvares de Azevedo e sua criação romântica, que mudou uma era. E posso afirmar que eles não são “um saco”.

Sei bem que as leituras destes autores, e de outros de suas épocas, precisam sim de um mínimo, sobretudo, de paixão por nossa língua. Compreendê-los quer dizer conhecer a tão necessária e magnífica mensagem que estes passam em seus versos e frases. E é por isso que entendo ser indispensável oferecer aos nossos jovens conteúdos realmente literários, voltados ao que há de mais sensato e inteligente no mundo das letras.

Há uma grande preocupação entre educadores e escritores em não deixar morrer o que temos de único. O amor à prosa nos faz entender que precisamos manter o mínimo de senso aos alunos - crianças e adolescentes. Estes, sabedores da literatura de Machado e Azevedo, de José de Alencar, Guimarães Rosa, Vinícius de Moraes, Quintana, Drummond, Clarice... serão seres humanos vivos, que poderão envolver o mundo com as palavras certas, floreadas com a nossa ficção.

Lutamos assiduamente e diariamente para que hoje, mesmo neste universo arrastado com o que não precisamos, permaneçam os gênios: aqueles que sempre irão transformar gerações através de suas obras.

Neste mundo, tão maluco e que se faz necessário discutirmos algo tão óbvio, tentamos manter a nossa literatura viva, com a certeza de que daqui a décadas e décadas, permanecerão os ‘Machados’ e os ‘Azevedos’, e vão embora os ‘Felipes’.

 

 

Kallil Dib- Jornalista

Autor do livro 50 poemas de um sonhador

MTB: 75854


Compartilhe: