NOTÍCIA

26/11/2019

Nesta quarta-feira tem troca do óleo de cozinha usado por novo em Paraguaçu

Para participar, basta levar duas garrafas pet com dois litros de óleo de cozinha usado.


Nesta quarta-feira tem troca do óleo de cozinha usado por novo em Paraguaçu

Há uma solução bem simples para descartar óleo de cozinha usado: coloque o óleo usado em uma garrafa pet e encaminhe para um ponto de coleta. Em Paraguaçu Paulista, nesta última quarta-feira do mês de novembro, dia 27, o Departamento de Meio Ambiente da Prefeitura de Paraguaçu Paulista realiza a troca de óleo de cozinha usado na Rua Axel Alexandre, nº 28 – Jardim Panambi (Antiga CEAGESP). O horário de atendimento à população vai das 7 às 11 horas e das 13 horas às 16h30.

Para participar, basta levar duas garrafas pet com dois litros de óleo de cozinha usado em cada garrafa, e trocar por uma garrafa de 900 ml de óleo novo. Os munícipes que participarem da troca de óleo de cozinha usado, concorrerão a uma sanduicheira elétrica e a uma batedeira de bolo.

Todo o dia, milhares de litros de óleo de cozinha são utilizados na preparação de alimentos em residências, escolas, hospitais, empresas, lanchonetes, restaurantes. Algumas pessoas ainda descartam o óleo utilizado de forma incorreta, não levando em conta a poluição provocada por esse produto.

O óleo de cozinha contém ácidos graxos insaturados que são insolúveis na água, pois o óleo ao entrar em contato com água, não dissolve e fica separado, por conta da diferença de densidade. Sendo assim ao ser descartado de forma inadequada o óleo pode poluir o ambiente e seus elementos, como o solo, água, atmosfera e áreas públicas, por exemplo.

No caso da poluição da água, a camada de óleo sobre a água impede a entrada de luz e de oxigênio. Assim, os peixes deixam de receber o oxigênio que necessitam para viver, e a diminuição da incidência de luz no habitat aquático, prejudica e altera todos os processos fotoquímicos importantes para a manutenção do seu ecossistema. Um exemplo disso é que o desenvolvimento do fitoplâncton, que é a base da cadeia alimentar aquática, fica bem prejudicado.

Quando o óleo de cozinha é descartado no lixo comum, acaba indo parar no solo, infiltrando-se, alcançando e poluindo o lençol freático, podendo ainda formar uma camada impermeável no solo, impedindo que a água da chuva possa ser absorvida pela terra, aumentando assim a o risco de enchentes.

O óleo de cozinha que vai parar na natureza acaba sendo decomposto pelas bactérias e um dos produtos dessa decomposição é o gás metano que, juntamente com o gás carbônico, contribui para o aquecimento do nosso planeta, causado pelo efeito estufa.

Se o óleo de cozinha for descartado direto no ralo da pia, escorrendo pela tubulação, acabará aderindo às paredes dela e retendo diversas partículas provenientes da lavagem da louça, por menores que sejam, e, assim, o óleo descartado acaba se transformando em gordura, obstruindo a passagem de água, entupindo encanamentos e causando alagamentos dentro das residências e também nas ruas, devido ao transbordamento decorrente do entupimento do esgoto.

A bióloga do Departamento de Meio Ambiente, Ana Flávia Lima, ressalta que devido a todos os prejuízos causados pelo descarte incorreto do óleo de cozinha, a solução é a reciclagem desse produto. “É só participar da troca de óleo de cozinha usado pelo novo que promovemos todos os meses”, enfatiza Ana Flávia.

 

O ponto de troca de óleo de cozinha usado pelo novo fica localizado na Rua Axel Alexandre, nº, 28, no Jardim Panambi, onde era a antiga CEAGESP. O horário de atendimento à população vai das 7 às 11 horas e das 13 horas às 16h30 (Foto: Depto. Meio Ambiente/Divulgação)

 

Assessoria de Comunicação da Prefeitura – Silvana Paiva



Compartilhe: