Abordagem Notícias
Unifio
APOIO • 24/01/2024

Término de relacionamento: 5 atitudes para ajudar a superar

Embora os términos sejam difíceis, é possível passar por essa fase de forma menos traumática.

Término de relacionamento: 5 atitudes para ajudar a superar


Os rompimentos são processos de luto com uma ampla gama de emoções, como vergonha, rejeição, culpa, raiva e tristeza.  E muitas vezes o que vem a seguir – recuperar-se do fim do relacionamento – é ainda mais difícil. Para complicar, a situação pode envolver questões logísticas importantes, como lidar com os filhos e as finanças, além de todos os sentimentos. 
 
Embora os términos sejam difíceis, é possível passar por essa fase de forma menos traumática. Confira, a seguir, as dicas do psicólogo Filipe Colombini, CEO da Equipe AT:
 
1) Cuide de você mesmo. Quando alguém está imerso em sentimentos de dor e desespero, não pensa com clareza e deixa de priorizar o bem-estar. Mas é neste momento que é ainda mais importante cuidar de si mesmo. Afinal, rompimentos podem causar insônia e comprometer o sistema imunológico. “É altamente recomendável que a pessoa mantenha sua rotina de exercícios, durma bem, faça uma dieta saudável e tenha uma vida social com conexões positivas”, diz Colombini.


2) Cerque-se de pessoas que você ama. Contar com uma rede de apoio é fundamental após o término de uma relação. “É difícil se reconstruir na solidão e vale a pena contar com o apoio de amigos e familiares, que vão acolher a ajudar sem julgamentos”, diz o especialista. “Isso faz com que o término não tenha um peso tão grande e que a pessoa enfrente esse período de luto com menos sofrimento”, conclui.


3) Procure terapia. Ter a ajuda de um psicólogo na fase pós término pode ser de grande valia, já que o profissional ajuda a pessoa a lidar com os sentimentos dolorosos do fim do relacionamento, mas não só: também auxilia no entendimento dos motivadores do término da relação e o que se pode fazer com eles (uma vez que um novo relacionamento terá início em algum momento da vida). “Se o casal tiver filhos, a terapia também é muito importante para eles, afinal, sentimentos de abandono e confusão podem surgir com a separação dos pais”, diz Colombini.


4) Faça um diário. “Escrever os pensamentos e sentimentos em um diário é uma excelente prática terapêutica. Permite que  aquele que escreve libere suas emoções, ganhe clareza e reflita sobre suas experiências, o que pode ajudar a processar melhor o fim do relacionamento”, diz o psicólogo.


5) Evite manter contato com o ex. Minimizar ou interromper o contato com o ex-parceiro (a) é fundamental para criar distância emocional e permitir espaço para cura. “O contato contínuo pode prolongar o apego, tornando mais difícil seguir em frente e encontrar um encerramento para a história”, diz Colombini.
 
Mais sobre Filipe Colombini: psicólogo, fundador e CEO da Equipe AT, empresa com foco em Acompanhamento Terapêutico (AT) e atendimento fora do consultório, que atua em São Paulo (SP) desde 2012. Especialista em orientação parental e atendimento de crianças, jovens e adultos. Especialista em Clínica Analítico-Comportamental. Mestre em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Professor do Curso de Acompanhamento Terapêutico do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas – Instituto de Psiquiatria Hospital das Clínicas (GREA-IPq-HCFMUSP). Professor e Coordenador acadêmico do Aprimoramento em AT da Equipe AT. Formação em Psicoterapia Baseada em Evidências, Acompanhamento Terapêutico, Terapia Infantil, Desenvolvimento Atípico e Abuso de Substâncias.

 

Fonte: Key Press Comunicação




lena pilates
Pharmacia Antiga
Próxima Notícia
Chamamento Cultural em Assis
Chamamento Cultural em Assis