Abordagem Notícias
Unifio
EDUCAÇÃO • 27/04/2023

UATI-UNIFIO comemora 18 anos de atividades

São 18 anos consolidando-se como um curso inovador e de sucesso

UATI-UNIFIO comemora 18 anos de atividades

 A coordenadora Gerda Kewitz com Cecília Quagliato e Dalva Borges Ramos ao lado do painel alusivo aos 18 anos da UATI

A Universidade Aberta à Terceira Idade do Centro Universitário de Ourinhos – UATI-UNIFIO está comemorando neste mês de abril, 18 anos de atividades. Uma data marcante e histórica para a Fundação Educacional Miguel Mofarrej (FEMM) por representar mais um projeto inovador e de muito sucesso da instituição que há mais de 50 anos cumpre a missão de promover o conhecimento em todos os ciclos e formar cidadãos conscientes, críticos e integrados à sociedade.

As mentoras da implantação da UATI-UNIFIO foram Cecília Quagliato, esposa do presidente da FEMM Roque Quagliato, e Dalva Borges Ramos, pedagoga, professora de Ciências e Geografia (aposentada), que foi a primeira coordenadora do Curso, contando com o apoio dos dirigentes da FEMM e alguns colaboradores.

Numa sociedade que busca cada vez mais a longevidade com qualidade de vida, a UATI que tem como slogan “Sabedoria não se aposenta”, representa uma conquista para a comunidade interessada em viver bem e de maneira saudável a melhor idade.

Com uma grade curricular interessante e uma vasta programação de eventos e atividades culturais que envolvem atividades da memória, dança, ginástica sênior, inglês, jogos lúdicos, literatura, música, psicologia e teatro, a UATI oferece aos alunos, a oportunidade de vivenciar uma experiência única de interação social que não só contribui para a saúde mental e física como promove a autoestima e uma nova perspectiva de vida na melhor idade.

Desde 2011, coordenada por Gerda Kewitz, a UATI celebra importantes conquistas como a realização de grandes eventos culturais e a edição de nove livros, produzidos pelas próprias alunas.

A UATI também venceu um grande desafio, no período da pandemia, sobressaindo-se em relação às demais Universidades da região, mantendo suas atividades com as aulas remotas.

Com o apoio do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA – UNIFIO e do seu coordenador professor Gilson Aparecido Castadelli, os professores participaram de treinamento para se adequar às aulas on line e, também as alunas receberam todo o suporte necessário para participar das atividades. Uma conquista, resultado de muito trabalho e dedicação dos professores, das alunas e da coordenadora Gerda.

A reitora da UNIFIO Gláucia Librelato Gonçalves afirma que “a FEMM possui uma sólida cultura organizacional, aliçercada em sua missão de Educar para a vida inteira. Isso é motivo de muito orgulho, pois fazemos parte da vida e da história de nossos alunos desde os 6 meses de idade, passando pela Educação Básica, Ensino Superior até a Faculdade da Melhor Idade”.

“A UATI, patrimônio da FEMM, fez história em nossa cidade e região. Parabenizamos a nossa coordenadora Gerda Kewitz que brilhantemente lidera nossa UATI, os professores e todas as nossas alunas que são exemplos de força, coragem e esperança na construção de um mundo melhor”, afirmou Gláucia.

 

Como surgiu a UATI

 

As mentoras desse projeto, Cecília Quagliato e a professora Dalva Borges Ramos que nos cinco primeiros anos esteve à frente da coordenação, contam que a idéia de implantar a UATI teve, de pronto, o apoio do presidente da FEMM, Roque Quagliato, do então vice-presidente Nildo Ferrari, do Conselho de Mantenedores e da UNIFIO.

A professora Dalva relata que quando começou a surgir as Universidades da Terceira Idade, pensou que esse projeto também poderia dar muito certo na UNIFIO, pois a instituição reunia todas as condições para ter o curso.

“Naturalmente que um projeto como esse, precisa de apoio e parceria. Apresentei a proposta à Cecília que não só gostou muito como abraçou a idéia e começamos a buscar informações e subsídios. Por intermédio do Dr. José Cássio Neves Leite tomamos conhecimento de que havia uma Universidade da Terceira Idade na PUC de Campinas e fomos conhecer. A professora Lia Maioli também acompanhou”, afirmou Dalva.

Segundo Cecília, a intenção era conhecer de perto uma UATI e saber como funcionava. No caso de Campinas era voltada mais para os profissionais aposentados. Dalva e Cecília acharam que a grade curricular para Ourinhos teria de ser diferente, visando atender a comunidade.

A coordenadora Dalva Borges Ramos elaborou uma grade curricular compatível com as exigências do MEC (Ministerio da Educação), contratou professores e estruturou o Curso.

“Inicialmente a UATI começou a funcionar no Campus Universitário onde permaneceu durante dois anos, mas em decorrência da dificuldade de locomoção, as alunas solicitaram um outro local e nós conseguimos uma sala no Colégio Santo Antônio, onde a UATI passou a funcionar”, afirmou Cecília.

“A Dalva começou muito bem e a UATI passou a ser frequentada por alunas de Santa Cruz do Rio Pardo, Ipaussu, Chavantes, Salto Grande e Santo Antônio da Platina”, afirmou Cecília.

Dalva ressalta que em 2011, “busquei uma nova pessoa para coordenar a UATI, que tivesse um perfil para trabalhar com pessoas da melhor idade e precisava ser uma pessoa especial até que conseguimos que a Gerda viesse”.

Para Cecília e Dalva não poderia ter uma pessoa melhor para assumir a UATI, reconhecendo que o trabalho, o dinamismo e a dedicação de Gerda foram fundamentais para a consolidação do Curso.

Cecília e Dalva destacaram que durante a pandemia, vivendo uma situação inesperada, a UATI se superou com aulas on line e foi sensacional.

Ressaltam que a UATI é um marco para a FEMM, a UNIFIO e a comunidade porque oferece a oportunidade para as senhoras aposentadas, avós e mães desenvolverem outras atividades diferenciadas do ambiente domiciliar.

Para Cecília só o fato de as alunas aprenderem e se familiarizarem com a informática já foi excelente.

Dalva destaca ainda que além de tudo que representa para a instituição e na vida das alunas, a UATI é muito importante no momento das avaliações dos Cursos da UNIFIO, pelo MEC.

Cecília e Dalva parabenizam Gerda, professores e alunos pelos 18 anos da UATI, afirmando que a Universidade da Terceira Idade só cresceu, se desenvolveu e engrandeceu a instituição.

Cecília faz um convite aos homens para que se interessem e participem da UATI. É interessante e vale muito a pena.

 

Gerda Kewitz:

É gratificante ver o entusiasmo e a alegria das alunas

 

A coordenadora Gerda Kewitz conta que entrou na UATI em 2010 como professora de Atividades da Memória e em 2011 assumiu a coordenação, função que exerce até hoje e continua também dando aulas de Atividades da Memória. “Desenvolvemos nossas atividades sempre com o apoio integral e a colaboração dos professores, resultando num trabalho uníssono, em equipe. Inclusive já estamos nos preparando para o final de ano e já temos os eventos agendados”, afirmou Gerda.

Gerda trouxe para a UATI a sua experiência profissional e vivência em vários projetos voltados à melhor idade. Trabalhou em empresas multinacionais, como secretária executiva, desenvolvendo vários projetos internacionais, no período de 1994 a 2002; participou de diversos cursos e se especializou em artes na área de cerâmica. Ministrou aulas em São Bernardo do Campo, Sorocaba e Águas de Santa Bárbara, especialmente para pessoas idosas, indicadas por médicos para fazer uma terapia ocupacional e se orgulha, em dizer que praticamente todas suas alunas se tornaram exímias profissionais na área de cerâmica.

Em 2008 veio para Ourinhos e ingressou na UATI, atuando como professora e desde 2011 como coordenadora.

“As atividades que introduzimos na grade curricular que foram importantes para nossas alunas foram o teatro com a música e a dança. A programação cultural tem sido fundamental para o desenvolvimento das alunas em todos os aspectos. É gratificante acompanhar a evolução das alunas e observar o entusiasmo e a alegria em participar das aulas e dos nossos eventos”.

Gerda destacou os principais eventos realizados: A Cidade em Cena, projeto desenvolvido em parceria com a Prefeitura/FEMM/UNIFIO e CSA; A Televisão Anos 50, A Noviça Rebelde, A Herança, A Volta ao Mundo em 80 Minutos, O Baú das Recordações, Olhares e Risos, Paraíso das Ninfas e O Boi de Reis. “Na pandemia não foi possível realizar esses eventos e em 2022 apresentamos A Moça Tecelã, envolvendo a literatura, música, dança e ginástica sênior inclusive com música e letra compostas pelas alunas”.

“A edição dos livros surgiu em 2013. Tivemos edições em 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019 e durante o período de aulas on line – 2020 e 2021 – lançamos dois e-books. Ao todo nove livros, produzidos pelas alunas nas aulas de Literatura. Esse projeto sempre foi muito importante e contou com o apoio da FEMM e da UNIFIO”, contou Gerda.

“Temos, inclusive, uma aluna Odete Kahil, que publicou livro, na cidade de Rio Pardo, no Rio Grande do Sul. A aluna conquistou inúmeros prêmios e para nós isso é muito gratificante, pois vemos o quanto a UATI contribui para despertar o talento de nossas alunas que começaram a escrever, compor músicas e poesias depois que ingressaram na UATI”, afirmou Gerda.

“É uma alegria e satisfação observar o quanto a UATI tem sido importante na vida de nossas alunas, perceber as mudanças no semblante e no comportamento delas, inclusive com reflexo no relacionamento familiar. Nossas alunas são alegres, festivas e gostam de participar de todas as atividades e eventos”, comemora Gerda.

Gerda ressalta ainda que para a FEMM e a UNIFIO, a UATI é muito importante, contando ponto nas avaliações feitas pelo MEC.

O corpo docente da UATI é integrado por Gerda Kewitz que ministra as aulas de Atividades da Memória e pelos professores Aline Leme, Psicologia; Ana Maria Barrile, Jogos Lúdicos; Danielle Montuleze, Música; Michelli Roli, Dança; Ricardo Gessner, Literatura; Reinaldo de Oliveira, Ginástica Sênior e Vanessa Kewitz, Inglês.

A UATI-UNIFIO funciona às terças e quintas-feiras, no horário das 14 às 17h30, no prédio do Colégio Santo Antônio, e pode ser frequentada por homens e mulheres, maiores de 50 anos, com qualquer nível de escolaridade.

 

UATI trouxe uma vida nova para as alunas

 

Depoimentos de algumas alunas sobre a experiência de frequentar a UATI.

 

Maria da Conceição Bazan Miglioli, 90 anos

“Entrei na UATI um ano depois da fundação. No primeiro ano não consegui ingressar por causa de locomoção. Antes de entrar na UATI se sentia como um pássaro fora do ninho. Queria ter contato com as pessoas e me relacionar e na UATI consegui tudo isso. Quando chegamos aos 90 anos começam as dores na coluna e uma série de outros problemas com os quais passamos a conviver. E na UATI, minha vida começou a mudar e refletiu também na saúde, no bem-estar e no modo de expressar. Na UATI temos contato com as pessoas, fazemos amizades, nos relacionamos e a vida ganha um novo sentido”.

“Gosto muito de frequentar as aulas e dos professores. Todos são atenciosos e amáveis, estão sempre sorridentes e procuram nos transmitir os conhecimentos de uma maneira que facilita o nosso atendimento. Sou muito grata à UATI por tudo que me proporciona e pelas mudanças em minha vida”, afirmou Conceição.  

 

Jecy Tavares Vivan, 94 anos

“Ingressei na UATI no primeiro dia de aula que foi no Campus da UNIFIO. “Na juventude, queria ser professora, mas não tive a oportunidade de estudar e participar da UATI foi uma forma de realizar um sonho. A UATI mudou a minha vida”.

“Na UATI pude fazer tudo que mais gosto, ter amigos e cultivar novas amizades, brincar, dançar, cantar e declamar. Sempre participei de todas as atividades e eventos da UATI e aprendi muito durante todos esses anos. Tenho gratidão imensa pelos professores e pela coordenadora Gerda”.

“A UATI trouxe grandes benefícios para a minha vida. Ganhei mais disposição, mais alegria de viver e ampliei o meu relacionamento de amizades. Na UATI me realizei e enquanto viver e tiver condições de saúde, vou continuar frequentando as aulas e participando de tudo que a Universidade nos proporciona”.

 

Benedita de Souza Godoy (Benê), 81 anos

“Frequento a UATI há 18 anos e ingressei no Curso estimulada pela professora Dalva Borges Ramos. No início achava difícil porque a UATI funcionava no Campus da UNIFIO, mas um dia tomei a decisão de participar. Minha rotina era só em casa e a UATI mudou totalmente a minha vida”.

“Na UATI melhorei a minha capacidade de enxergar o mundo, melhorou o meu raciocínio, ganhei mais ânimo para viver e fiz muitas amizades, inclusive reencontrei amigas que estudaram comigo no Colégio Santo Antônio. Gosto muito das aulas e dos professores que me ajudaram a dar um novo sentido de vida. Participo de todos os eventos, gosto muito das atividades de música e dança e enquanto tiver saúde e condições vou continuar frequentando a UATI”.  

 

Denise Baer de Lara, 74 anos

“Vou completar 11 anos de UATI. Tomei conhecimento da Universidade através da Lia Laioli que sempre me convidava para participar e um dia assistindo uma apresentação da UATI – A TV Anos 50 – tomei a decisão de ingressar no Curso. A apresentação das alunas me cativou e fez ver que seria muito bom para mim e realmente estava certa. A UATI mudou a minha vida e me ajudou a construir uma nova fase, de muito aprendizado, disposição e prazer de viver”.

“Eu era uma pessoa mais fechada e a UATI me despertou para um mundo novo e tive a oportunidade de desenvolver um potencial adormecido, de escrever e fazer poesias. Aprendi a sorrir e acreditar mais em mim”.

“Sempre tive também o incentivo da minha família e enquanto tiver condições vou continuar participando da UATI. Gratidão à Gerda e aos professores pelos conhecimentos transmitidos, pela amizade, carinho e lições de vida”.

 

Maria Donizete Souto Lopes (Nenê), 66 anos

 

“Tomei conhecimento da UATI pela Jecy Vivan. Estava muito sozinha e sem motivação e as atividades da UATI me ajudaram a melhorar e a fazer novas amizades. Estou me sentindo valorizada e importante”.

“Tenho o Colégio Santo Antônio em meu coração desde os anos 70. Conheci meu marido no Colégio quando ele fazia Administração na FIO (hoje UNIFIO) e eu fazia Laboratório. Nos anos 90 meus filhos estudaram no Colégio e hoje frequento o prédio do Colégio como aluna da UATI.”

 

Leonice De Bastiani, 71 anos

 

“Meu ingresso na UATI foi em 2014. O que me motivou a frequentar a Universidade foi a necessidade de preencher meu tempo de inatividade, após minha aposentadoria e adquirir novos conhecimentos, pois esta conceituada instituição iria me trazer de volta o exercício de minha mente, além das atividades físicas que nos proporcionam e a interação com novos amigos”.

“A UATI representa para mim uma nova família, onde interagimos, trocamos histórias de vida, acrescentamos sabedoria em nosso currículo, com as matérias essenciais, ministradas pelos excelentes professores, sob uma exímia coordenação.

Após frequentar a UATI minha vida teve muitas mudanças, para melhor, com as aulas ministradas e novos amigos conquistados, me desenvolvi, mentalmente, socialmente e fisicamente, além de acrescentar aptidões na dança, psicologia e literatura e nas demais áreas que tinha conhecimento, aprimorei novas experiências”.

“Uma das principais novidades que me ajudou muito foi a elaboração de histórias, textos e poesias, crônicas e contos, nas aulas de Literatura. E essa produção fez desabrochar minha mente, com grande auxílio, das importantes aulas de atividades da memória, ministradas pela competente e sábia professor e coordenadora Gerda”.

 

Odete Kahil, 70 anos

 

“Ingressei na UATI em 2019 e estou cursando o quinto ano consecutivo. Tive a gratificante experiência de cursar por dois anos on line em virtude da pandemia. A UATI represeta renovação a todo momento, seja nos pensamentos, atitudes e, principalmente, na forma de encarar a vida na melhor idade”.

“O convívio com as amigas, professores, coordenadora me faz sentir a vida com mais alegria e maiores perspectivas. A UATI despertou em mim a satisfação pela escrita de contos e poemas; alguns já publicados em coletâneas literárias. Comecei até compor algumas músicas, dentre elas a ciranda da UATI”.

 

Maria Isabel da Costa Fantinatti, 74 anos

 

“Frequento a UATI há 15 anos, ingressei em 2008 quando as aulas começaram a ser realizadas no Colégio Santo Antônio. Eu me aposentei em 2007 e já tinha em mente que cursaria a UATI porque queria aprender coisas novas, ter uma convivência com as amigas e professores para melhorar cada vez mais a minha vida, porque “sabedoria não se aposenta”.

“Outro motivo também é que gostaria de voltar às aulas no Colégio, onde estudei dos 5 anos de idade que era o Jardim da Infância até o Magistério, onde me formei professora. Fui muito feliz nesse período com as Irmãzinhas da Imaculada Conceição e por esta razão também quis continuar sendo feliz e continuo até hoje, graças a Deus”.

“A UATI trouxe mutos benefícios para minha vida. Melhorou muito a minha memória com atividades realizadas pela nossa querida coordenadora Gerda e demais professores. Melhorou o relacionamento com as pessoas, adquiri muitos conhecimentos para o aprimoramento da escrita, leitura, coordenação motora e equilibrio. A UATI me ajudou a desenvolver a criatividade, colaborou para reacender novamente os nossos dons que estavam adormecidos. Na UATI minha vida mudou para melhor. A UATI para mim é uma família onde todos cultivam a união, a solidariedade, a alegria e compartilham suas experiêcias de vida. A minha eterna gratidão à nossa primeira coordenadora Dalva Borges Ramos e à nossa atual e querida coordenadora Gerda que com tanto amor e competência nos ajuda no caminho para o conhecimento”.

As alunas da UATI participam de todas as atividades com muita alegria e entusiasmo

 

As mentoras da UATI Dalva Borges Ramos e Cecília Quagliato

Gláucia Librelato Gonçalves, reitora da UNIFIO

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação




lena pilates
Pharmacia Antiga