NOTÍCIA

23/11/2021

Seminário de Milho Safrinha: Abertura em Assis é marcada por conferência, homenagens e premiações

Aberto ontem, evento prossegue de forma online até o dia 25.


Seminário de Milho Safrinha: Abertura em Assis é marcada por conferência, homenagens e premiações

O Seminário Nacional de Milho Safrinha (SNMS) sediado em Assis-SP, chega a sua 16ª edição, de volta ao seu local de origem, sendo a primeira em formato online, com realização no período de 23 a 25 de novembro de 2021. A abertura ocorreu na tarde de ontem, no salão social da Associação Comercial e Industrial de Assis (ACIA).

Contando com esta terça-feira, 23, serão três dias de um amplo debate acerca dos principais avanços e desafios para o aumento da produtividade e da lucratividade da cultura do milho no Brasil. O maior e mais importante evento técnico-cientifico desta modalidade de cultivo no País é realizado pelo Instituto Agronômico (IAC) e Centro de Desenvolvimento do Vale do Paranapanema (CDVale) e promovido pela Associação Brasileira de Milho e Sorgo (ABMS). A iniciativa conta ainda com o apoio da Embrapa, do Consórcio Intermunicipal do Vale Paranapanema (Civap), da Cooperativa de Pedrinhas e da Coopermota, bem como com o patrocínio da Fundag e das empresas FMC, Basf, UPL, Stoller, KWS, Syngenta, Morgan, Forseed, Biomatrix, Mosaic, Jacto, Koppert e Duromid.

Secretário executivo de Estado da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Francisco Matturro e o coordenador do Seminário, Aildson Duarte 

 

A abertura oficial, em comemoração a “Três décadas de inovações: avanços e desafios”, contou com a presença do secretário executivo de Estado da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Francisco Matturro, dentre outras autoridades estaduais e regionais especialmente representadas pelo CIVAP.

Na cerimonia de abertura do Seminário, foi conferencista o superintendente de logística da Conab, Thomé Luiz Freire Guth, que discorreu sobre o “Impacto da Safrinha e Perspectivas do Mercado de Milho no Brasil”. Segundo Guth o mercado interno de milho está aquecido e a importação do cereal para atender a demanda nacional é uma necessidade que vem acontecendo. Os participantes do evento online também terão acesso ao conteúdo da conferencia transmitida na integra por meio da plataforma digital.

Superintendente de logística da Conab, Thomé Luiz Freire Guth

Dentre os diversos temas abordados pelo XVI SNMS serão evidenciados, principalmente, os gargalos técnicos e as novas tecnologias do milho safrinha, contemplando a soja no sistema de produção.

TRABALHOS PREMIADOS

Na oportunidade da cerimonia de abertura do XVI SNMS foram premiados os cinco trabalhos científicos inéditos e de grande aplicabilidade no campo, os quais se destacaram entre 51 inscritos e aceitos. Dentre eles três foram apresentados pela Embrapa: na área de fitotecnia “Cultivo Intercalar Antecipado de Milho Segunda Safra nas Entrelinhas da Soja - Antecipe”; na área de Sistemas Integrados“Quinze Anos de Consórcio Milho-Braquiária e Soja em Sucessão”; e na área de Solos e Nutrição de Plantas “Polihalita Como Fonte de K e S na Adubação de Soja e Milho Safrinha”.

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) teve premiado o trabalho na área de Fitpatologia “Outros Novos Fungicidas Foliares são Eficientes no Controle da Mancha Branca e Promovem Ganho de Produtividade no Milho: uma Metanálise”. A Escola Superior de Agronomia (ESALQ) de Piracicaba, recebeu o prêmio pelo trabalho na área de Entomologia “Eficiência de Transmissão do Fitoplasma do Milho a Partir de Plantas Infectadas em Estágios Distintos e Número Variável de Cigarrinhas”.

Equipe envolvida na realização do evento, incluindo Ida Franzoso, diretora executiva do Consorcio Intermunicipal do Vale do Paranapanema

 

HOMENAGENS

A abertura do XVI Seminário Nacional de Milho Safrinha foi também marcada por homenagens e reconhecimento aos agricultores e pesquisadores de vanguarda. Representando a pesquisa científica foi homenageado o Dr. Gessí Ceccon, responsável pelos conhecimentos que embasaram o zoneamento de risco climático para o consórcio milho safrinha-braquiária. Representando os agricultores que muito contribuíram como a pesquisa científica em prol do milho safrinha no Vale Paranapanema foram homenageados: José Roberto Borges, de Campos Novos Paulista; Dirceu Parmegiani, de Cruzália; e os irmãos Bruno e Rebert Schlegel, de São José das Laranjeiras – Maracaí.

O coordenador do XVI SNMS, Aildson Duarte parabenizou os homenageados lembrando que cada um deles fez parte da história que transformou o milho safrinha no milho do Brasil. “Temos um legado de três décadas de inovações e de evolução no sistema produtivo do milho e o desafio de avançar rumo a resultados ainda melhores nas décadas vindouras”, observa Duarte. Uma celebração histórica que contempla 30 anos do Milho Safrinha não poderia passar sem lembrar Aildson Pereira Duarte, o pesquisador científico que deu início no polo da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios -Médio Paranapanema as pesquisas desta modalidade de cultivo que mudou grandiosamente toda a capacidade produtiva em áreas agricultáveis no Brasil e de valor expressivo de renda para o agro negócio brasileiro.

Os resultados nesse início, não somente encheram os silos dos agricultores com o melhor milho, mas deu a cada um a importância histórica de participarem dessa gigantesca revolução da agricultura brasileira. O Médio Vale do Paranapanema, exportou para outras fronteiras e estados, o experimento assertivo iniciado em Assis. Participando e promovendo ativamente inúmeros seminários, cursos, experimentos em rede nos campos e nos laboratórios, Aíldson impulsionou e fez germinar o que se iniciou numa pequena roça de experimentos e o devolve numa produção de 200 milhões de toneladas milho em um território de 13 milhões de hectares. Dada a grandeza de seu trabalho, a sociedade civil organizada e bem representada pelo CIVAP e entidades de classe rendeu-lhe as justas homenagens.

Mesa diretora do XVI Seminário Nacional de Milho Safrinha, sediado em Assis-SP

SOBRE A SAFRINHA

Em três décadas, esta modalidade de cultivo teve sua produtividade média triplicada, passando de 2t/há para 6t/há, e expandindo sua área inexpressiva para 15 milhões de hectares. Nos melhores anos, a produção do milho de segunda época esteve próxima de 75 milhões de toneladas correspondendo a ¾ de todo o milho produzido no país. O cultivo do milho safrinha, após a soja, aumentou a renda das propriedades brasileiras que colhiam grãos apenas no verão. Mais da metade da área destinada a soja no verão hoje é ocupada pelo milho safrinha no inverno. Consequentemente, o Brasil que beirava o limite da autossuficiência saltou para o terceiro maior produtor e exportador mundial do cereal. Mais informações podem ser encontradas no site www.milhosafrinha2021.com.br

 

RB Comunicação

 


Compartilhe: