NOTÍCIA

10/06/2021

Prefeitura é cobrada após morte trágica da servidora Nair Pontes em Paraguaçu

A funcionária pública foi assassinada no dia 30 de maio.


Prefeitura é cobrada após morte trágica da servidora Nair Pontes em Paraguaçu

Apesar das investigações periciais e policiais sobre a morte da servidora da prefeitura de Paraguaçu Paulista, Nair Pontes, ocorrida em 30 de maio, de forma suspeita e muito violenta, a atual administração foi cobrada nesta semana, no plenário da Câmara de Vereadores, pela falta de ações.

A vereadora Vilma Bertho (PV), utilizando a tribuna, questionou a falta de manifestação da prefeitura após a morte, mas, principalmente, a falta de atitude, especialmente do Departamento de Recursos Humanos, em relação ao acompanhamento e assistência da servidora, enquanto viva, visto que fazia mais de 20 anos que trabalhava como servidora pública e convivia com o problema de alcoolismo.

“Essa nossa servidora que faleceu tinha algo que precisava ser cuidado” – afirmou Vilma Bertho, enquanto questionava será que a estrutura de RH municipal está realmente cuidando de pessoas, visto que, segundo declarou, outros servidores possuem o mesmo problema que Nair, ou outros que sejam, e não estão recebendo a devida atenção do setor.

A vereadora protestou contra a falta de cuidados e apoio aos servidores, até mesmo, como já alertado em outras situações, premissa para que um bom serviço seja oferecido à população por meio destes funcionários que precisam ser cuidados, receberem apoio psicológico, de saúde, de apoio para seus distúrbios e não recebem.

 A vereadora finalizou afirmando que uma servidora que trabalhou por 20 anos é uma boa servidora, mas tinha problema e precisava de apoio. “Não se trata de culpar ninguém, mas será que se ela tivesse tido apoio, teria chegado onde chegou, teria tido a morte trágica que teve? Fica aqui meu protesto. Nosso executivo precisa cuidar melhor de nossos servidores, das pessoas. ” – finalizou.

 

Fonte: Trassos Comunicação
Foto: Acervo da Família

 

 

 



Compartilhe: