NOTÍCIA

19/01/2019

Rota do Café: Uma viagem pelos cafezais do Norte do Paraná

Viagem feita por um grupo de jornalistas e blogueiros, a convite do Sebrae.


Rota do Café: Uma viagem pelos cafezais do Norte do Paraná

Já faz um certo tempo, mas a viagem agregou tantos conhecimentos a um grupo de jornalistas e blogueiros, que vale postar aqui o material e, quem sabe, incentivar mais e mais pessoas a realizarem uma viagem fantástica, que certamente ficará na memória. E para quem é amante do chamado vinho negro, bebida da razão, ouro verde, ou simplesmente café, a bebida que se encontra na casa de quase todo brasileiro, vale muito conhecer a Rota do Café do Norte do Paraná, com seus lugares históricos e acolhedores.

O “Presstour” – viagem técnica de apresentação da Rota para a imprensa –, foi promovido pelo Sebrae Londrina, idealizador do roteiro aberto em Ibiporã. O grupo tinha 11 pessoas, representando jornais, revistas, sites e blogs especializados em viagens, turismo e cafeicultura, que vieram de São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Curitiba e Londrina.

De São Paulo: repórter Cíntia Cristina da Silva e o fotógrafo Roberto Seba (revista Azul Magazine); Fábio José Pastorello Duarte (Blog Viagens Cinematográficas).

Do Rio de Janeiro: Renata dos Santos Luppi ( Mala Inquieta); Carla Boechat (Blog Fui, Gostei, Contei - www.fuigosteicontei.com.br).

De Florianópolis: Tatiana Soares Dornelles (Blog Mundo Afora)

De Curitiba: Leticia Biccas Vasconcellos (Blog Giros por aí - www.girosporai.com.br)

De Marília: Repórter: Cibele de Fátima Martins (Diário de Marília)

De Assis: Dagmar Vieira Marciliano (do site Abordagem Notícias)

De Londrina: Antoniele Luciano (Gazeta do Povo e JL); Ana Paula Silva Nascimento Pasqualino (Folha de Londrina)

A programação iniciou em Ibiporã, com uma visita ao Museu do Café (antiga Estação Ferroviária), onde receberam explicações sobre o surgimento e evolução de Ibiporã, ligada ao café, sobre a obra "Cristo Libertador" do artista Henrique Aragão. Os visitantes fotografaram e conheceram os espaços internos e externos que carregam um grande valor cultural e histórico.

Logo após, foram para o Cine Teatro Padre José Zanelli, onde houve um coquetel, apresentação de vídeos, explanações sobre a rota e também assistiram ao espetáculo "Mussarela com Café" - que encena a chegada dos imigrantes para trabalhar nas lavouras cafeeiras - com alunos de teatro da Fundação Cultural de Ibiporã, além de números de ballet, com a Escola Municipal de Dança.

Os jornalistas e convidados foram recebidos pelo então prefeito José Maria, a primeira-dama Eliana Eik Borges Ferreira, a vice-prefeita Sandra Moya, o secretário municipal Julio Dutra e toda a equipe da Secretaria de Cultura e Turismo, o gestor da Rota do Café do Sebrae Londrina, Sérgio Garcia Ozório, e a consultora do Sebrae, Luciana Masson. A viagem foi feita em 2010, mas por a rota ser bem interessante, aqui coube a repostagem.

A ação teve o apoio da Prefeitura de Ibiporã/ Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, que é parceira da Rota do Café e tem atrativos, como o Museu do Café, o Circuito Cultural, Centro do Artesanato, as esculturas de Henrique de Aragão, a Casa de Artes e a Igreja Matriz.

A Rota do Café é um projeto de desenvolvimento do turismo regional do Sebrae Londrina, realizado em parceria com entidades e empreendedores privados. Após a passagem por Ibiporã, divulgadores seguiram para Londrina, Rolândia, Ribeirão Claro e Santa Mariana, passando pelos atrativos e ícones da Rota.

O café permeia a história do Brasil desde que se entende por gente. Interessante saber que a bebida clássica tem um roteiro inteiramente dedicado a ela, onde o turista pode ver de pertinho seu modo de produção, experimentar diferentes grãos, conferir seu histórico em museus, conversar com baristas (profissionais especializados em café). Sempre há um ingrediente que se destaca e representa a cultura local. É assim com as trufas brancas em Alba, na Itália, as trufas negras de Perigord, na França, os vinhos de Mendoza, na Argentina, as cervejas da Alemanha, e por aí vai. Por que o café não mereceria posição de destaque, com uma rota exclusiva e reconhecida dentro do turismo brasileiro?

A Rota do Café foi oficialmente lançada em 2009 e em 2011 ficou em primeiro lugar na categoria Roteiro Turístico em premiação do Ministério do Turismo. O roteiro tem mais de 30 atrativos em 9 cidades, num raio de até 200 km. São pousadas charmosas, restaurantes, fazendas históricas, produtivas, cafeterias. Desde 2012 o café do Norte do Paraná possui Indicação Geográfica de Procedência (certificação internacional que garante origem, processos de produção e características sensoriais dos cafés). 

Basicamente isso significa que o café dessa região possui características exclusivas e não pode ser encontrado em nenhuma outra parte do mundo. No Brasil, apenas o Cerrado Mineiro e a Serra da Mantiqueira (ambos em MG) possuem essa certificação.

Em Londrina, onde o grupo ficou hospedado e passou três dias desvendando alguns desses lugares foi possível aprender  muito sobre como beber o melhor café. Por exemplo: Você sabia que o recomendado é guardar o pó na sua própria embalagem, para manter suas propriedades? E que o filtro de papel tira boa parte da saúde do café, pois retém seus óleos essenciais? O recomendado é usar filtro de pano sempre! Também não se deve comprar café extra forte, pois, ao invés da ideia que nos vendem de que ele te deixará mais acordado; a verdade é que ele apenas está queimado, e com isso perdeu seus óleos essenciais – e boa parte de sua saúde. 

Quem ensinou tudo isso foi Cristina Maulaz, da Cafeteria O Armazém, que recebeu o grupo numa manhã no Museu Histórico de Londrina e deu um show de conhecimento sobre a bebida! Ela utiliza apenas os melhores grãos de café em seu estabelecimento. Ali é vendido uma Edição Especial dos Melhores Cafés do Paraná, que ganhou o Concurso Café Qualidade 2013. É para beber sem adoçante ou açúcar! Um café de qualidade não deve ser adoçado jamais.

Agora vamos descobrir o que mais a Rota do Café reserva? Vamos falar dos atrativos, dividindo-os por região para facilitar, e depois indicar quais são todos os atrativos, como reservá-los, melhor época e etc. Vamos lá!

LONDRINA, PR

Em Londrina o grupo ficou hospedado no Cedro Hotel. Este é um hotel parceiro da Rota do Café e tem instalações ótimas. O apartamento luxo tem um espaço legal, com duas camas (uma de casal e uma de solteiro), um armário, frigobar, ar condicionado, WiFi, TV por assinatura e banheiro bem arrumado. O atendimento foi muito bom. O hotel conta ainda com sala de ginástica, sauna, lavanderia. O café da manhã era bem variado, mas sem muitas surpresas.

Depois da dica de onde ficar, vamos às dicas dos atrativos da Rota do Café dentro de Londrina. Lá há o Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss. É lindo e ideal se você quer saber tudo sobre a história do desenvolvimento do café no Norte do Paraná. O visitante tem direito a um guia para mostrar os detalhes de lá – e a entrada é gratuita.

Se você tem interesse no assunto, reserve no mínimo uma hora para percorrê-lo com calma. Logo na entrada fica uma locomotiva restaurada que rende várias fotos lindas. E na parte de trás uma plantação de café, onde você poderá conhecer as ferramentas utilizadas em seu cultivo. O casarão como um todo é lindo, preservando sua influência inglesa da época da colonização.

Em Londrina também há vários dos cafés servidos na Cafeteria O Armazém, comentando no início. A barista  utiliza apenas os melhores grãos de café do Paraná e sabe tudo sobre a bebida, portanto espere por xícaras e mais xícaras de café da mais alta qualidade – e por histórias contadas pela própria barista, por doces maravilhosos, por um ambiente acolhedor. Ela prepara ainda oficinas de cafés especiais para quem deseja se aprofundar no assunto.

Aliás, esse foi um detalhe que chama muito a atenção em todos os lugares do roteiro: O povo da região é atencioso! 

E que tal um restaurante com menu preparado especialmente para a Rota do Café? Tudo leva café. E, acredite, os sabores são impressionantes. Trata-se do menu especial que o Brasiliano Bar & Cozinha preparou, e que conta com preciosidades como ceaser coffee salad, fettuccine ao cappuccino de funghi, risoto expresso de lombinho e queijo coalho, brownie com calda de chocolate e café. Que experiência mágica! 

Fora a comida, o ambiente do Brasiliano é delicioso. Tudo muito bem decorado e de muito bom gosto. Talvez um dos melhores restaurantes da região. E o atendimento também foi 10! Acho esse Menu um dos Must Go da Rota do Café,  pois é uma experiência realmente diferente e que tem tudo a ver com a proposta do roteiro.

IBIPORÃ, PR

Esta é uma cidadezinha de apenas 50 mil habitantes que está a 15 km de Londrina. Há ônibus que levam até lá e também é bem fácil chegar de carro. Lá tem o Museu do Café de Ibiporã, pequeno e simples, mas de um cuidado que chama a atenção. É o único patrimônio da cidade e tombado pelo IPHAN – e sua entrada é gratuita. Ele traz fotos e histórias de como se iniciou o cultivo de café na região e o mais legal é que vários dos objetos são doações dos próprios moradores, que quiseram colaborar com a iniciativa e enriquecer a história da cultura cafeeira do Paraná.

Logo atrás do museu passam os trilhos do trem, já que ali funcionava o Terminal Ferroviário da Cidade.


E bem ao lado está o Centro de Artesanato de Ibiporã, onde me encantei com as bonecas vestidas com temáticas de café, além de outras lembrancinhas, como panos de prato, chaveiros, quadros. Tudo feito com muito charme, uma ótima oportunidade para comprar souvenirs.

Ibiporã também possui um Circuito Cultural, que inclui um roteiro que pode ser realizado a pé mesmo. Fazem parte dele o Cine Teatro Padre José Zanelli, um Museu de Esculturas ao Ar Livre e a Igreja Nossa Senhora da Paz (que recebeu muitas doações dos produtores de café e é toda ornamentada pelo artista sacro Henrique de Aragão, que viveu por muitos anos em Ibiporã).

No Cine Teatro Pe. José Zanelli foi apresentada uma peça de teatro infantil e a um espetáculo de dança com diversos ritmos. Impressionate a estrutura do teatro e a competência dos atores e dançarinos! 

ROLÂNDIA, PR - POUSADA RURAL MARABU

A Marabu tem uma proposta super ecológica. Eles usam apenas produtos orgânicos, prezam por uma alimentação vegetariana e mantêm uma fazenda linda e aconchegante. A árvore frondosa que dá as boas-vindas já mostra que está se chegando a um lugar de paz e descanso. A Marabu funciona desde 2006 no município de Rolândia, a 22 km de Londrina, e fica em meio a uma área verde de 72 mil metros quadrados, com trilhas, cachoeiras, muitas frutas.

Seu proprietário, o suíço Adrian Saegesser, buscou manter as características antigas da fazenda. Além disso, a Marabu participa da WWOOF, uma organização mundial com mais de 99 países envolvidos e milhares de viajantes e propriedades filiadas. Uma ideia bem ousada e promissora. Propriedades filiadas, como a Marabu, recebem jovens viajantes do mundo inteiro, que desejam conhecer o Brasil de uma forma diferente “aprendendo, fazendo e participando”. Basicamente eles ajudam com trabalhos diários e em troca recebem hospedagem gratuita. Cada um colabora com suas próprias habilidades, beneficiando um intercâmbio cultural entre todos. 

Ah, e se você quiser levar um pouquinho do sabor da Marabu para casa, eles têm produtos artesanais e orgânicos, como geleias, patês, licores, sucos, compotas – tudo feito sem colorantes, conservantes químicos ou aromas artificiais. As opções que a Marabu oferece para lazer são café rural, o almoço, um day use com educação ambiental e trilhas. Livre-se de qualquer preconceito com comidas vegetarianas e se jogue no almoço com lasanha de berinjela, feijão azuki, batata com molho de café, salada de feijão fradinho e… Adivinhe! Trouxinhas de urtiga recheadas com farofa de cenoura. 

RIBEIRÃO CLARO, PR- FAZENDA MONTE BELLO E RESTAURANTE MICHELLA SERV

A Fazenda Monte Bello, que fica perto de Ribeirão Claro, já na divisa com São Paulo, é um primor, fundada no início dos anos 1900 e com instalações muito bem cuidadas e de qualidade. A Monte Bello também é uma grande produtora de noz macadâmia e lichia e tem geleias e compotas deliciosas.

É maravilhoso caminhar em meio à floresta da propriedade, ainda mais quando se depara com uma figueira de mais de 300 anos. Ótimo para fazer uma caminhada através da trilha ecológica guiada, principalmente após experimentar o típico café rural oferecido por eles – onde tudo é delicioso e fica difícil não repetir o pãozinho com geleia caseira. Ah, e em dezembro ainda rola um “colhe-paga” de lichias na fazenda. 

SANTA MARIANA, PR - FAZENDA PALMEIRA

Essa preciosidade abriga nada menos (aliás, até mais) do que 200 hectares de plantação de café. Parece não ter fim… A Palmeira é mais uma fazenda histórica linda da Rota do Café e fica no município de Santa Mariana, a 90 km de Londrina.

O encantamento já começa na estrada que leva até a fazenda, que passa por um túnel de bambus lindo. Na Palmeira são produzidos cafés comerciais e também os especiais, destinados a consumidores mais exigentes. Aliás, o café deles ganhou o prêmio Cup of Excellence 2013. É delicioso e dispensa ser adoçado.

Fundada por empreendedores suíços e de grande valor histórico e social para a região, ela mantém até hoje os hábitos de preservação ambiental e ações sociais. Por ali há uma capela, cultivam-se flores tropicais e, mais recentemente, deu-se início ao artesanato com taboa. É uma fazenda para se passar o dia, degustando um delicioso café colonial, com sucos de frutas curiosas e geleias surpreendentes. O bolo de cappuccino também é um fenômeno! 

INFORMAÇÕES COMPLETAS DA ROTA DO CAFÉ

Atrativos:
– Agroindústria: Artesanu Agroindustrial, Casa Muller, Itamaraty, Pousada Rural Marabu, Sítio Morada do Sol
– Agronegócio: A. Rural Corretora de Café, Bolsa de Cereais e Mercadorias de Londrina, Embrapa Soja, Fazenda Palmeira, Fazenda Terra Nova – Café Terrara, Iapar
– Artesanato e Cultura: Casa da Boneca – Arte & Decoração, Centro do Artesanato de Ibiporã, Circuito Cultural de Ibiporã, Livraria da Silvia
– Cafeterias: Dual, O Armazém
– Educação Ambiental: Casa Muller, Embrapa Soja, Fazenda Palmeira, Fazenda Platina, Parque Estadual Mata dos Godoy, Pousada Rural Marabu
– Fazendas: Monte Bello, Palmeira, Platina
– Hospedagem: Fazenda Monte Bello, Fazenda Platina, Pousada e Restaurante Victor, Pousada Rural Marabu, Pousada Ruvina
– Museus: Museu do Café de Ibiporã, Museu Histórico de Londrina, Museu Sociedade Rural do Paraná
– Restaurantes: Brasiliano Bar & Cozinha, Chácara Xororó, Kisaki Restaurante & Café, Pousada e Restaurante Victor, Recanto Dá Licença, Restaurante Michella Serv, Restaurante o Casarão

Como reservar: Entre em contato com uma das sete agências especializadas e credenciadas da Rota do Café. O passeio pode ser tanto personalizado, como se encaixar em uma atividade previamente programada.

Duração do passeio: pode levar de uma tarde apenas a uma semana inteira – depende dos seus interesses e disponibilidade. 

Dá para fazer por conta própria?: Dá e não dá. Alguns dos atrativos que você pode fazer sozinho são ir à cidadezinha fofa de Ibiporã (onde há museu, casa de artesanato e um circuito cultural), ao Museu Histórico de Londrina, aos restaurantes Brasiliano e O Casarão, às cafeterias Dual e O Armazém. Tudo isso é simples de fazer, tanto de carro como de taxi/transporte público e sem necessidade de efetuar reserva.

Já para conhecer uma das fazendas, é indicado pesquisar bem sua localização para verificar se é fácil chegar por conta própria ao local (ainda falta sinalização nas estradas). E, caso resolva ir por conta própria, faça sua reserva com um mínimo de dois dias de antecedência.  É que a maioria dos produtos são feitos no próprio local e os proprietários precisam de algum tempo para se organizarem para receber o turista.

Abordagem Notícias com informações e fotos do blog Fui Gostei Contei




Compartilhe: