NOTÍCIA

16/11/2018

Os 60 anos da UNESP de Assis-SP

Alguns dos defensores foram José Santilli Sobrinho, Abílio Nogueira Duarte e Monsenhor Floriano.


Os 60 anos da UNESP de Assis-SP

No final da década de 50, nos anos de 1956 a 1958, houve uma grande movimentação da comunidade assisense, e seus representantes políticos, para que uma instituição de ensino superior fosse instalada no município de Assis. Alguns dos grandes defensores foram José Santilli Sobrinho, Abílio Nogueira Duarte e Monsenhor Floriano.

Aliados à comunidade, não dispensaram esforços para que Assis fosse sede de uma faculdade. Em fevereiro de 1957 foi promulgada a Lei Estadual 3826, que criou a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis - Instituto Isolado de Ensino Superior, cuja inauguração deu-se em 16 de agosto de 1958, data comemorativa para a instituição.

Em 30 de janeiro de 1976, o instituto isolado passou a fazer parte da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, a UNESP. Em 2018, comemora-se 60 anos de instalação e sua convivência com a comunidade assisense e da região. Nos 113 anos de existência do município, mais da metade deles é de coexistência.

 

O que significa a UNESP em Assis?

 

Em termos econômicos, são R$90 milhões de folha de pagamento de ativos e inativos (professores e funcionários), por ano, tendo apenas os ativos uma folha de pagamento de R$7,3 milhões por mês. Sem contar R$3,3 milhões por ano que são investidos para a manutenção do campus e de consumo direto com as empresas de Assis e região. Somam-se a estes números os valores indiretos derivados da migração de 2 mil estudantes que frequentam a universidade, sendo que 80% destes fixam residência em Assis no mínimo durante o período de sua formação. No ano de 2012, por exemplo, os alunos injetaram o valor de R$27.118.620,39 na cidade. Neste mesmo ano, foram 522 contratos de aluguel e o valor médio  gasto por aluno foi de R$982,70. Estes números demonstram que a relação UNESP- ICMS / ICMS arrecadado em Assis foi de 80%, ou seja, mais de três quartos do ICMS arrecadado, que retornou ao município via UNESP, segundo Bovo (2013).

Assim, em termos econômicos, tomando como referência os dados apresentados acima, cerca de R$ 122 milhões de reais são injetados no município a partir de aluguéis, alimentação, transporte, lazer, material didático, manutenção, entre outros. Além disso, é bastante visível o crescimento exponencial nos arredores da UNESP/Assis tanto do mercado imobiliário, com a construção frequente de casas de aluguel e condomínios que são direcionados, em sua grande maioria, para os alunos da UNESP, como o comércio de um modo geral.

Em termos acadêmicos, a Faculdade de Ciências e Letras de Assis – campus da UNESP oferece os cursos de graduação em Letras – Licenciatura, História – Licenciatura, Psicologia, Ciências Biológicas – Bacharelado e Licenciatura e Engenharia Biotecnológica. Na pós-graduação, oferece Mestrado e Doutorado em Letras, Mestrado e Doutorado em História, Mestrado e Doutorado em Psicologia, Mestrado e Doutorado em Biociências e Mestrado Profissional em Letras. Nos anos de 2005 a 2016, a UNESP de Assis emitiu 971 diplomas de mestrado e doutorado e 4.159 diplomas de graduação. Neste mesmo período, foram efetuadas 22.166 matrículas e rematrículas na graduação e 4.552 matrículas e rematrículas nos programas de pós-graduação. 

Os números acima são, em grande parte, desconhecidos pela comunidade. No entanto, as atividades oferecidas pelo campus da UNESP de Assis vão muito além daquelas citadas. Anualmente, são realizados em torno de 50 eventos acadêmicos que congregam pessoas da cidade, da região, do país e estrangeiras. São realizados projetos de pesquisas e de extensão desenvolvidos diretamente no município e também na região. Nos últimos anos, as parcerias com as prefeituras têm se mostrado uma forma de trabalho conjunto para o desenvolvimento científico e cultural.

Alguns exemplos destes projetos, junto a municípios do CIVAP, desenvolvem atividades e ações que tem como objetivo, entre outros, o desenvolvimento da economia solidária, a recuperação e manutenção da memória de imigrantes, a transformação do lixo em biodiesel e o desenvolvimento de atividades pedagógicas nas escolas municipais e estaduais. Sem contar os atendimentos clínicos psicológicos, os cursos de línguas estrangeiras, a universidade aberta à terceira idade, os cursinhos pré-universitários comunitários, vários projetos de extensão, além das inúmeras atividades culturais e esportivas. Desse modo, a partir dessas atividades/ações/projetos, a UNESP de Assis atende cerca de 12 mil pessoas por ano, aproximadamente 5 vezes mais pessoas do que a soma de seu quadro de alunos, docentes e servidores técnico-administrativos.

É importante salientar que tudo isso é de oferecimento gratuito para todos aqueles que prestam o vestibular ou que procuram a universidade para participar dos projetos de extensão ou usufruírem da prestação de serviços ofertados pela UNESP/Assis. Estes são os princípios de uma universidade pública, a corresponsabilidade e contrapartida social para com a sociedade que a mantém por meio de arrecadação tributária.

Diante dessa exposição lançamos a pergunta: como seria Assis sem a UNESP?

 

Por: Andrea Lúcia Dorini de Oliveira Carvalho Rossi (Diretora da UNESP/Assis), Cátia Inês Negrão Berlini de Andrade (Vice-Diretora da UNESP/Assis)

               

 



Compartilhe: